Print Friendly, PDF & Email

A Rússia e a Futura Ordem Internacional em África

A aplicação de uma ordem internacional de formato russo na África teria repercussões desestabilizadoras para o continente.

English | Français| Português

Protestors march in Durban, South Africa, against Russia's invasion of Ukraine

Manifestantes marcham em Durban, na África do Sul, como uma demonstração de apoio ao povo ucraniano, protestando contra a invasão da Ucrânia pela Rússia e pedindo ao governo sul-africano que condene a ação do presidente russo Vladimir Putin. (Foto: Rajesh Jantilal / AFP)

O presidente russo Vladimir Putin tornou evidente nos últimos anos que está pronto a abandonar a ordem internacional baseada na democracia que moldou as normas de governação global desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Estas normas estão claramente consagradas na Carta das Nações Unidas e na Declaração Universal dos Direitos Humanos — respeito pela soberania e integridade territorial de outros estados, resolução pacífica de disputas e direitos dos cidadãos a participar na vida política. Inerente à Carta, assinada por 193 estados membros, está a responsabilidade coletiva de responsabilizar os membros quando estes princípios são violados de acordo com o direito internacional.

A invasão da Rússia e a tentativa de anexar a totalidade ou partes da Ucrânia, portanto, não foi apenas  uma disputa bilateral — mas um esforço explícito para redefinir as normas internacionais.

O Embaixador do Quénia nas Nações Unidas, Martin Kimani, reconheceu os riscos desde o início ao declarar no Conselho de Segurança das Nações Unidas durante o lançamento da invasão russa da Ucrânia que a viabilidade do próprio multilateralismo estava a ser atacada.

“O Embaixador do Quénia nas Nações Unidas, Martin Kimani, reconheceu os riscos desde o início ao declarar no Conselho de Segurança das Nações Unidas durante o lançamento da invasão russa da Ucrânia que a viabilidade do próprio multilateralismo estava a ser atacada.”

Então, como seria uma ordem internacional conduzida pela Rússia?

Os atores globais moldam as normas internacionais exportando o seu modelo de governação nacional. No caso da Rússia, os analistas russos caracterizam-no frequentemente como um sistema autoritário e cleptocrático. O poder é monopolizado, as eleições são fortemente controladas para perpetuar um presidente vitalício e as vozes da oposição são aprisionadas (como Alexei Navalny), envenenadas (como Sergei Magnitsky) ou assassinadas (como Boris Nemstov). Os meios de comunicação independentes são restritos e, se demasiado críticos, sufocados. Os protestos não são tolerados. Os contratos estatais russos e a vasta riqueza de recursos naturais do país são controlados por uma rede oligárquica próxima de Putin, resultando em estagnação económica e em desigualdade estrutural.

Com efeito, este é um sistema transacional em que as leis são arbitrariamente aplicadas para servir os interesses dos detentores do poder. Os direitos humanos e a democracia são inconvenientes a ser ignorados.

É a partir de uma tal premissa de governação livre que Putin foi capaz de reivindicar, nas vésperas da invasão, que a Ucrânia nunca existiu realmente como estado independente e, como tal, não havia soberania a ser violada.

Como é vista a Ordem Internacional de Putin em África

A visão de Putin sobre a ordem internacional tem implicações perigosas para África. Imagine um estado africano maior a afirmar que o seu vizinho mais pequeno nunca existiu realmente como uma entidade soberana independente. A aplicação desta lógica não só seria altamente desestabilizadora como minaria uma das maiores proezas subvalorizadas de África — o respeito pelas fronteiras internacionais, mesmo que caprichosamente estabelecido por atores externos, e sobretudo a capacidade de evitar conflitos interestatais.

As indicações do que a ordem internacional de Putin anuncia para África podem ser vistas como a exportação da Rússia das suas normas de governação para o continente. Na Líbia, República Centro-Africana (RCA) e no Mali — os países africanos onde a presença Rússia se tornou mais consolidada — normalizou-se um padrão preocupante de enfraquecer as Nações Unidas, de contratação de mercenários irresponsáveis e de violação dos direitos humanos. Estas ações de desestabilização são invariavelmente realizadas em apoio do representante da Rússia no país alvo, que é apoiado por campanhas de desinformação e interferência eleitoral russas.

Na Líbia, a Rússia empregou recursos militares substanciais — incluindo caças, mísseis terra-ar e mercenários — na tentativa de instalar o senhor da guerra Khalifa Haftar como um novo homem forte. Ao longo desta campanha, em curso desde 2019, a Rússia minou ativamente o governo reconhecido pela ONU em Trípoli. Até agora incapaz de cumprir os seus objetivos pela força, a Rússia está a tentar fazer descarrilar o processo da ONU para estabelecer uma base constitucional para um governo unificado e realizar eleições, apoiando um governo paralelo no Leste.

O presidente russo, Vladimir Putin, encontra-se com Faustin Archange Touadera, presidente da República Centro-Africana. (Foto: Mikhail Metzel)

Na RCA, um russo é o conselheiro de segurança nacional e mercenários do sombrio Grupo Wagner servem como guarda presidencial do Presidente Faustine-Archange Touadéra. A Rússia também se envolveu flagrantemente na orquestração da reeleição de Touadéra em 2020. À medida que a Wagner se foi instalando na RCA (especialmente em torno de minas de ouro e diamantes), os mercenários adotaram uma postura cada vez mais agressiva contra a força de manutenção da paz das Nações Unidas, com 15.700 homens destacados para ajudar a estabilizar a RCA.

No Mali, as campanhas de desinformação russas iniciadas em 2019 desacreditaram a ONU, a França e o presidente democraticamente eleito, Ibrahim Boubacar Keïta. A Rússia tornou-se rapidamente o principal apoiante do golpe militar que se seguiu em agosto de 2020. Tal como nos outros contextos, o destacamento de mercenários Wagner tem sido acompanhado de relatos aterradores de violações dos direitos humanos. A Rússia tem usado o seu poder de veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas para bloquear investigações independentes sobre estes abusos. Os líderes da oposição foram presos por questionarem a legitimidade da junta e foram ameaçados pelas milícias juvenis patrocinadas pelo regime.

Em suma, temos uma ideia bastante boa de como seria uma ordem internacional de formato russo em África — e não é apelativa para os cidadãos, uma vez que a sua voz está a ser sistematicamente silenciada.  A Ucrânia não é uma aberração, mas faz parte de um padrão da Rússia que mina o estado de direito para fazer avançar os seus interesses.

Visões diferentes dentro de África

Embora não seja convidativo para os cidadãos africanos, o modelo russo é apelativo para certos líderes africanos que beneficiam política e financeiramente do apoio da Rússia. Sem surpresas, os mais recetivos à influência russa tendem a exibir as suas próprias versões do modelo de governação autoritário e transacional da Rússia. Para além dos acima mencionados, os líderes no Sudão, Madagáscar, Zimbabué, República do Congo, Sul do Sudão, Eritreia, Uganda e Burundi enquadram-se nesta categoria.

A legitimidade duvidosa destes líderes e das ferramentas extralegais que a Rússia emprega tipicamente para ganhar influência e manter estes regimes no seu lugar — os mercenários, a desinformação, a intimidação e a interferência eleitoral — são inerentemente desestabilizadores.

A aplicação da ordem internacional da Rússia em África serve, assim, os atores de elite que entram em acordos tão pouco transparentes, em detrimento da população em geral. É importante ter em mente, portanto, que os primeiros não representam a referida população. A trajetória inevitável desta ordem é a crescente  disparidade no acesso aos recursos e à voz política.

“A aplicação da Ordem internacional Russa em África serve as elites em detrimento da população em geral”

Nesse sentido, há muito em jogo para África. Atores completamente diferentes — autoritários sem restrições do estado de direito versus cidadãos que procuram salvaguardar as suas liberdades civis — beneficiarão na medida em que a ordem internacional que perdure.

Os apoiantes africanos destas diferentes visões não estão alinhados com as lealdades ideológicas Este-Oeste, como foi o caso durante a Guerra Fria. Em vez disso, são definidos pelo seu nível de compromisso com os princípios de governação apresentados na Carta das Nações Unidas.

Embora a atual ordem internacional baseada nas Nações Unidas esteja longe de ser perfeita, fornece uma base legal e coletiva para que as vozes dos cidadãos africanos sejam ouvidas, os direitos humanos protegidos e os governos responsabilizados. A alternativa é que cada país — e cada indivíduo — esteja por sua conta.

Este artigo apareceu originalmente como parte do Dossiê ISPI “Efeitos colaterais: a tempestade perfeita da Ucrânia pairando sobre a África.” (Side Effects: Ukraine’s Perfect Storm Looming over Africa.”