Print Friendly, PDF & Email

Ciclones e tempestades mais frequentes ameaçam África

O aquecimento global está a causar um aumento na frequência e intensidade das tempestades em África, que estão a exacerbar outros fatores de stress socioeconómico em todo o continente.

Português| Français| English

A street in Buzi, Mozambique, flooded after Cyclone Idai in March 2019

Uma rua em Buzi, Moçambique, inundada após o ciclone Idai em março de 2019. (Foto: AFP/Adrien Barbier)

Mais chuva…

  • O Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas prevê que, como resultado do aquecimento global, a frequência e intensidade dos eventos de chuvas fortes irá aumentar para a maior parte da África tropical (enquanto partes da África do Norte e do Sul se tornarão mais secas). Isto traduz-se num aumento significativo do risco de inundações.
  • O escoamento superficial na bacia do rio Congo, por exemplo, está projetado para aumentar em 50 por cento, elevando os riscos de inundação, especialmente de inundações repentinas, em grandes partes da África Central.
  • O aumento da temperatura global, com base na sua trajetória atual, deverá também aumentar a precipitação em partes do Grande Corno de África em mais de 40 por cento. As chuvas extraordinariamente fortes na África Oriental nos últimos anos contribuíram para o pior surto de gafanhotos do deserto a atingir a região nos últimos 25 anos.

Projected Change in Annual Rainfall at Different Levels of Global Warming

… e tempestades mais fortes

Increasing Storms & Cyclones in Africa

  • Com temperaturas oceânicas mais quentes e mais energia a impulsionar cada tempestade, os ciclones tropicais do Oceano Índico estão também a fazer estragos sobre uma faixa mais vasta da costa oriental de África. Para além dos caminhos históricos que afetam Madagáscar e o norte rural de Moçambique, espera-se que os ciclones se desloquem para latitudes mais a norte (abrangendo a Tanzânia) e a sul (incluindo a África do Sul).
  • Estes ciclones são mais suscetíveis de ter impacto em áreas urbanas mais densamente povoadas, tais como Maputo, Durban e Dar es Salaam. Um impacto direto numa destas áreas urbanas poderia afetar milhões de pessoas e causar custos económicos agudos.
  • Ilustrativamente, o ciclone Idai, em março de 2019, teve um impacto sem precedentes. Foi o ciclone mais mortífero (causando mais de 1.000 mortes) e o mais caro (cerca de 3,25 mil milhões de dólares) de sempre a atingir África. No mês seguinte, o ciclone Kenneth foi o ciclone mais forte alguma vez registado no continente, com ventos a atingir 225 km/h e inundações que atingiram 2,5 m acima dos níveis normais de água.

Recent Cyclones that Threatened Eastern Africa

Inundações e deslizamentos de terras mais graves

  • Chuvas e tempestades mais frequentes e intensas conduzem a mais inundações no interior e na costa. As catástrofes naturais relacionadas com a chuva em África aumentaram quase dez vezes nos últimos 50 anos.

Rising Rain-Related Disasters in Africa

Hydrological Disasters in Africa

Tempestades cada vez mais intensas exacerbarão os riscos de segurança humana em África 

  • As tempestades mais fortes tiveram efeitos devastadores em colheitas, casas e infraestruturas.
A washed out road in Mozambique.

Uma estrada destruída pelas cheias a sul da Beira, Moçambique. (Foto: AFP/Adrien Barbier)

Table - African Countries with Largest Population Displacements Caused by Floods

Fonte de dados: IDMC, 2020.

  • Os desastres climáticos estão a agravar os desafios nas áreas afetadas por conflitos. O conflito tem simultaneamente impedido a capacidade de muitos países de se concentrarem na preparação para catástrofes e na adaptação às mudanças climáticas. Isto está a contribuir para um círculo vicioso de má governação, conflito e catástrofe climática. As cheias aumentam os níveis já recorde de refugiados e deslocados internos devido ao conflito.
  • O impacto das catástrofes relacionadas com o clima é indiscutivelmente pior do que o reconhecido devido à subnotificação crónica das perdas resultantes de catástrofes, particularmente no que diz respeito a catástrofes de pequena escala, que cumulativamente podem ser tão prejudiciais como as catástrofes de grande escala.
  • Ajudar as comunidades vulneráveis a conceber soluções para se adaptarem e mitigarem os efeitos de tempestades mais fortes e mais frequentes será de importância crescente para a segurança humana em África. Aulas de redução do risco de desastres e instalações de sistemas de alerta precoce em locais como a Beira, em Moçambique, resultarão em mais vidas salvas e numa recuperação mais rápida de desastres. O mapeamento do risco comunitário, tal como o que foi feito em Dar es Salaam, Tanzânia e Kisumu, Quénia, fornece os dados necessários para desenvolver planos mais eficazes de mitigação do risco de desastres (DRM) e de redução do risco de desastres (DRR).

Lições de Redução de Riscos de Catástrofes de África

Mesmo antes do ciclone Idai atingir a cidade da Beira e os seus 500.000 habitantes, o seu presidente da câmara já estava a trabalhar num plano para tornar a cidade resistente às inundações até 2035. No entanto, apesar dos esforços proativos do presidente da câmara, os ventos de 169 km/h do ciclone Idai demonstraram ser mais do que a cidade poderia suportar. Deixou cerca de 90 por cento da cidade danificada. Embora a tempestade tenha causado estragos nos telhados das casas, derrubando árvores e linhas elétricas, os esforços de resistência às inundações do presidente da câmara foram bem-sucedidos. A água recuou rapidamente nas partes da cidade onde os canais tinham sido renovados, permitindo que as pessoas limpassem e regressassem às suas casas mais cedo. O governo da cidade, com o apoio de parceiros internacionais, tem planos para melhorar a habitação, expandir o sistema de canais em toda a cidade e fortificar a linha costeira da cidade como parte de um plano de redução do risco de desastres.

A capital da Tanzânia, Dar es Salaam, é uma das cidades de crescimento mais rápido de África. A maior parte desse crescimento não foi planeado. Como resultado, sendo uma cidade costeira, é propensa a incidentes crescentes de cheias. Foi lançado em 2015 um projeto comunitário de mapeamento de risco denominado Ramani Huria. Em outubro de 2018, o projeto Ramani Huria tinha mapeado mais de 228 comunidades de cerca de 3,5 milhões de residentes, gerando informação geoespacial sobre o uso do solo, infraestruturas e exposição. Todos esses dados informaram os planos DRM e DRR para a cidade. No processo, a colaboração entre um amplo espetro de intervenientes — instituições académicas locais e ONGs, a Comissão de Ciência e Tecnologia da Tanzânia, a Sociedade da Cruz Vermelha da Tanzânia e o Banco Mundial, entre outros — levou a uma maior recetividade às mudanças de comportamento necessárias e a uma maior compreensão das causas subjacentes ao risco de catástrofe.

A cidade portuária de Kisumu, no Quénia, pode ser outro modelo para outras cidades interessadas em aprender a conceber planos DRR. Com o apoio do Gabinete das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Catástrofes, mais de 100 participantes dos departamentos municipais de Kisumu e organizações e comunidades locais desenvolveram o seu primeiro plano de ação DRR em 2018. Situada nas margens do Lago Vitória, Kisumu é propensa a inundações durante as fortes chuvas sazonais. Antes, a cidade esperava pelas cheias e depois dava a resposta humanitária necessária. Desde as consultas DRR, a ênfase passou de reativa a proativa na preparação e mitigação dos efeitos das cheias. A chave para o sucesso de Kisumu tem sido o envolvimento e a participação cívica. Para além de melhorar a infraestrutura de drenagem da cidade e manter os esgotos pluviais desimpedidos, a comunidade concentrou-se na substituição de uma ponte frequentemente inundada que ligava o centro da cidade ao resto da comunidade.

Recursos adicionais